Destaques

Resenha da HQ A Revolução dos Bichos

Em
18 outubro, 2018
Por Nanda Sales
A Revolução dos Bichos
Oi Lebres! Tudo bom com vocês? Espero que sim! A postagem de hoje será sobre um maravilhoso quadrinho que recebemos da editora Companhia das Letras (Quadrinhos na Cia) (que faz parceria com o Instagram da Dora: @dorasaleslibrary), A Revolução dos Bichos. A Revolução dos Bichos é um dos nossos (meu e da Dora) livros favoritos, então já devem imaginar o tamanho da nossa alegria ao receber essa inédita versão  em quadrinhos, né?! Bom, sem mais delongas vamos direto a essa resenha:
Resumo da Obra: "Cansados da exploração a que são submetidos pelos humanos, os animais da Granja do Solar rebelam-se contra seus donos e tomam posse da fazenda, com o objetivo de instituir um sistema cooperativo e igualitário, sob o slogan "Quatro pernas bom, duas pernas ruim". Mas não demora muito para que alguns bichos (em particular os mais inteligentes, os porcos) voltem a usufruir de privilégios, reinstituindo aos poucos um regime de opressão, agora inspirado no lema "Todos os bichos são iguais, mas alguns bichos são mais iguais que outros". A história da insurreição libertária dos animais é reescrita de modo a justificar a nova tirania, e os dissidentes desaparecem ou são silenciados à força". Em tinta acrílica, fazenho com que cada página se torne uma verdadeira obra de arte, o gaúcho Odyr deu forma e cor a este "conto de fadas rural", que de acordo com o escritor ingles Malcolm Bradbury é "a melhor sátira já escrita sobre a face obscura da história moderna".
Título Original: Animal Farm: a Fairy Story
Autor: George Orwell (Eric Arthur Blair)
Adaptador: Odyr Bernardi
Ilustrador: Odyr Bernardi
Número de Páginas: 175
Editora: Quadrinhos na Cia
Edição: 1ª edição
Ano: 2018
Idioma: Português (Brasil)
Preço: de 47,62 à 57,03
Minha Avaliação: 

O quadrinho é dividido em 10 partes destacadas por números romanos e uma ilustração, também consta na edição um pequeno resumo sobre o autor e ilustrador ao final do conto. A obra também mede 27 x 20 cm, em capa cartão com acabamento em brochura, possui orelhas e páginas brancas.

Com textos extraídos diretamente da obra original, é impossível negar a fidelidade desse quadrinho, o mesmo virou uma espécie de resumão de A Revolução dos Bichos, um excelente resumão. Constam no quadrinho as partes mais importantes da obra integral, com uma estrutura que permite que nada fique faltando a história e que a mesma seja muito natural ao ser lida, como se nem fosse uma adaptação. As ilustrações em tinta acrílica se encaixam perfeitamente com o conteúdo da obra ao apresentar um aspecto confuso e um pouco agressivo, aspecto que nunca seria alcançado com uma delicada aquarela. Esse quadrinho entrou para a minha lista que quadrinho favoritos, sem sombra de dúvidas, pois o mesmo tem o poder de encantar tanto os que já leram o texto integral de A Revolução dos Bichos quanto os que ainda não tiveram a oportunidade de lê-lo.

Recomendo esse maravilhoso quadrinho para todas pessoas que ainda não tiveram coragem de encarar a obra original e para aqueles que já a encararam e amam esse fantástico e importante conto.

Sobre o Autor
George Orwell
George Orwell [Via: Obvious]
Eric Arthur Blair, conhecido pelo pseudônimo George Orwell, foi um escritor, jornalista e ensaísta politico inglês nascido em 25 de julho de 1903 em Motihari, Índia (Índia Britânica). O escritor foi responsável pela criação de diversas obras importantíssimas para a literatura, como por exemplo: A Revolução dos Bichos, 1984, Como Morrem os Pobres e Outros Ensaios, O Que é Fascismo e Outros Ensaios, Na Pior em Paris e Londres, A Flor da Inglaterra, O Caminho para Wigan Pier, entre outros.

Sobre o Ilustrador
Odyr Bernardi nasceu em Pelotas (RS), em 1967. é autor de dois livros como desenhista: Copacabana,, com roteiro de Lobo e Guardalupe, com roteiro de Angélica Freitas. Participou das coletâneas Irmãos Grimm em quadrinhos, Dias Negros e MSP 50. Publicou quadrinhos e ilustrações na Folha de S. Paulo, O Globo e Le Monde Diplomatique Brasil, Público (Portugal) e nas revistas Vida Simples, entre outras.

Bom pessoal, é isso, espero que tenham gostado. Mas eaí, já leram A Revolução dos Bichos? Já leram esse quadrinho de A Revolução dos Bichos? Já leram alguma obra do autor? Têm vontade de ler? Sim? Não? Comentem aqui em baixo! Vou adorar ler as respostas de vocês.
Continue lendo

Resenha da HQ Visão Vol. 1: Pouco pior que um homem

Em
11 outubro, 2018
Por Dora Sales
Capa da HQ Visão: Pouco pior que um homem

Olá Lebres! A HQ de hoje é a brilhante minissérie sobre o personagem Visão, integrante dos Vingadores e filho de Ultron. A minissérie inicialmente tem 12 edições, foi elaborada por Tom King e Gabriel Hernandez Walta e busca apresentar um lado mais "humano" do personagem ou pelo menos o que ele espera ser.
Resumo da Obra: Depois de toda a sua história e experiência no mundo desde que foi criado, Visão deseja ser humano ou o mais próximo possível de um, para isso ele criou uma família sintozóide, assim como ele, no mesmo local em que Ultron o criou. Sua família é formada pela esposa Virgínia e pelos filhos gêmeos Viv e Vin, todos compartilham a mesma ambição de Visão, serem normais. Visão continua com o seu trabalho com os Vingadores, Virgínia cuida da casa e dos filhos e os gêmeos passam a frequentar a escola para se misturarem com as demais "crianças". A família tinha tudo para ser perfeita, mas acaba no entanto, não conseguindo se sair tão bem na vida cotidiana, o que causa grandes problemas para o herói.    
Capa HQ Visão: Pouco pior que um homemRoteiro: Tom King 
Desenhos: Gabriel Hernandez Walta
Cores: Jordie Bellaire
Tradução: Leo Camargo, Paulo França
Letras: Denise Araújo
Editores: Paulo França
Número de páginas: 148
Editora: Panini
Volume: 1
Preço de capa: de R$ 39,90
Minha Avaliação: 

Devo confessar que não sou a maior conhecedora da história da Marvel Comics, nunca fui de ler tantos quadrinhos da editora, no entanto, graças a um perfil sobre quadrinhos no Instagram acabei "encontrando" essa minissérie do Visão. O que me chamou a atenção em primeiro lugar foi a linda arte da capa, em segundo lugar descobri que se tratava de uma história de um grande quadrinista chamado Tom King, que particularmente gosto muito e por fim, o que de fato me fez comprar e ler a HQ, que não é necessário conhecer os personagens e histórias da Marvel para ler esta história, pois a própria minissérie explica tudo o que devemos saber. Ótima notícia, não?
Imagem da HQ Visão: Pouco pior que um homem
Imagem extraída da HQ Visão: Pouco pior que um homem
Nesta edição, deixando de lado todo o heroísmo e história por trás do personagem, temos uma história inicialmente simples de um "robô" querendo ser humano e as consequências desse desejo. Essa trama por si só chama bastante a atenção, pois é algo que nos lembra de grandes histórias de ficção científica que tivemos contado ao longo de nossas vidas.

Visão é um sintozoíde criado pelo vilão Ultron para ser uma arma contra a humanidade, mas ele se rebelou contra seu destino e contra seu pai/criador, pois imaginava que tinha mais a oferecer e principalmente que poderia ser mais do que uma arma, que poderia ser um homem. Então nesta minissérie essa ideia de Visão é explorada ao máximo e a pergunta que fica é: Será que ele pode?

A edição da editora Panini é em Capa Dura de Luxo com lombada quadrada, papel couché e em formato americano (17x26). Esse primeiro volume contém as edições Vision 1-6 e terá o seu fim no segundo volume.

Sobre o Autor
Tom King
Tom King
Tom King é um autor de histórias em quadrinhos americano, nascido em 1978 nos Estados Unidos da América. Atualmente trabalha para a DC Comics nos títulos Batma, Detective Comics e Senhor Milagre, mas trabalhou para a Marvel Comics no título Visão e para a Vertigo Comics no título O Xerife da Babilônia.

Sobre o Ilustrador
Imagem da HQ Visão: Pouco pior que um homem
Imagem extraída da HQ Visão: Pouco pior que um homem
Gabriel Hernandez Walta é um artista e pintor espanhol, nascido em 1973 na cidade de Melilha na Espanha. Trabalha na editora Mavel Comics. Entre seus trabalhos mais conhecidos estão Doutor Estranho, Visão, Magneto e outros.

Mas e aí? Já leram Visão? Deixem suas opiniões sobre o quadrinhos nos comentários e até a próxima postagem!
Continue lendo

Minhas Ilustrações #3 - Arte Vetorial Usando o Adobe Illustrator

Em
04 outubro, 2018
Por Nanda Sales
Oi Lebres! Tudo bem com vocês? Espero que sim! O quadro Minhas Ilustrações antou meio sumido né?! Bom, eu posso explicar. A verdade é que ando ilustrando muito pouco manualmente, mas isso também tem uma explicação. Em março desse ano, eu entrei em um curso profissionalizante de Arte Digital da Escola SAGA, e deste que comecei a frequentar as aulas ando produzindo MUITO, mas de formas diferentes. No módulo anterior, fui apresentada a um programa da Adobe chamado Illustrator, ele é feito exclusivamente para criações vetoriais, arte vetorial no geral. Vocês sabem o que é Arte Vetorial?
Arte ou Desenho Vetorial são imagens que utilizam formas geométricas, como linhas, curvas, pontos, formas e polígonos como base de sua construção, usando formulas matemáticas, essas formas são chamadas de vetores e dão nome a técnica. A diferença entre imagens vetoriais e imagens comuns é que as vetoriais se baseiam em cálculos matemáticos e as imagens comuns são construídas com pixels, por essa razão ao aumentar as imagens comuns, elas perdem a qualidade, enquanto uma vetorial (quando salva seguindo seu padrão) não.
Com o Illustrator, pude criar várias ilustrações legais e são algumas delas que quero mostrar para vocês. Lembrando que as imagens daqui foram salvas em formato PNG comum, por isso não será possível ver a qualidade real das mesmas (já que se eu colocasse elas com qualidade total aqui, a página ficaria carregando eternamente de tão pesado que seria). Bom, sem mais enrolação, vamos as ilustrações:

Essa ilustração vetorial foi uma das primeiras que fiz. Foi dito pelo professor para criarmos uma vetorização de algum personagem que gostarmos e eu optei por fazer a Princesa Caroço do desenho Hora de Aventura. No geral eu gostei do resultado, mas acho que mudaria as sombras das montanhas.

Essas vetorizações são mais foram feitas em momentos e técnicas diferentes. A primeira é um simples Vazo de Planta feita apenas usando as formas vetorizadas. Já a segunda é um Cogumelo do jogo Mário Bros e nele eu utilizei a ferramenta "Malha" que visa a criação de imagens vetoriais 3D.

Esses outros três utilizam a mesma técnica de criação de formas geométricas, por incrível que pareça. A primeira ilustração do He-Man foi feita para um trabalho, onde era exigido uma vetorização de qualquer personagem de forma mais detalhada, para ela utilizei basicamente linhas e o pincel (foi bem demorado de fazer na verdade). Para a segunda ilustração foi exigido a vetorização de qualquer personagem utilizando as técnicas aprendidas até então e eu escolhi os personagens Wirt e Gred do desenho Over The Garden Wall (O Segredo Além do Jardim). E a última só foi uma ilustração simples de um monstrinho.

Esse foi o meu trabalho de encerramento do Módulo de Arte Vetorial. Como estávamos em época de Copa do Mundo, meu professor pediu para que fizéssemos uma vetorização utilizando um jogador da Copa e eu acabei escolhendo um jogador da Rússia (pois a copa tinha sido lá e todos os outros alunos estavam escolhendo jogadores do Brasil ou jogadores mais famosos e eu queria fazer diferente).

Bom gente, esses foram algumas das ilustrações que andei fazendo, espero que tenham gostado. Se tiverem qualquer dúvida ou curiosidade, basta comentar tudinho na área de comentários abaixo!
Continue lendo

Resenha do livro Carta a D.

Em
26 setembro, 2018
Por Dora Sales
Capa do livro Carta a D.

Olá Lebres! Como estão? Hoje trago para vocês a resenha do livro Carta a D. História de um amor, do autor e filósofo francês André Gorz. Nele o autor faz uma lindíssima homenagem a sua amada esposa Dorine e conta em detalhes a relação dos dois. Vamos conhecer um pouquinho a obra?
Resumo da obra: Como um dos principais filósofos do pós-guerra francês, Gorz escreveu inúmeros livros influentes, mas nenhuma de suas obras será tão amplamente lida e lembrada quanto esta carta simples e bela, em que ele rememora tanto a história de companheirismo, amor e militância do casal como a trajetória intelectual que percorreram juntos. Em Carta à D. Gorz inicia sua carta de amor a Dorine, mulher ao lado de quem ele passou a vida e que há alguns anos sofria de uma doença degenerativa incurável. Um ano após a publicação de Carta a D., um bilhete encontrado na casa onde moravam fez as vezes de pós-escrito à narrativa: André e Dorine tiraram a própria vida juntos, numa renúncia comovente a viver sozinhos.
Capa do livro Carta a D.
Título original: Lettre à D.: Histoire d'un amour
Autor: André Gorz 
Tradutor: Celso Azzan Jr.
Número de páginas: 104
Editora: Companhia das Letras
Edição: 1ª edição
Ano: 2018
Idioma: Português (Brasil)
Preço: R$ 44,90
Minha Avaliação: ★★★

Carta a D. é um livrinho extremamente curto, com apenas 104 páginas, mas consegue não apenas envolver o leitor, como emocioná-lo. Ao escrever esta carta, Gorz afirma que Dorine já está completando seus oitenta e dois anos, mas continua tão bela quando antes e busca relembrar como os dois se conheceram e se apaixonaram.

Ele narra que o amor dos dois ocorreu a primeira vista e descreve Dorine como sendo uma mulher extremamente forte, inteligente e incentivadora, o ajudando diversas vezes na elaboração de suas obras, lhe dando liberdade de criação e estímulo, mesmo que isso significasse estar sozinha durante algum tempo.

No entanto, Dorine acabou ficando gravemente doente, mudando completamente seus hábitos de vida e sua visão de mundo. O casal se mudou para o campo e André abriu mão do jornalismo para conseguir desfrutar de seu tempo com a esposa.

André encerra sua carta afirmando que não conseguiria sobreviver sem a presença de Dorine já que a amava perdidamente. Um ano após a publicação de Carta a D., em 2007, o casal tirou a própria vida para que pudessem ficar juntos para sempre.

Livro lindíssimo e que eu recomendo fortemente a todos os leitores deste blog, independente dos gostos literários. Foi um livro que li com muita rapidez e entusiasmo e que, apesar de possuir um final triste, acabou sendo uma experiencia maravilhosa para mim.

O livro da companhia das letras é publicado em uma edição caprichosa de bolso, possuindo uma sobre capa/case para proteger o livro, onde encontramos, além do título, editora e autor, informações sobre a obra. O livro em si é bastante simples e apresenta em sua capa uma foto de André e Dorine dançando, possui 104 páginas, contém paginas amareladas, orelhas e mede 12 cm x 18 cm.

Sobre o Autor
André Gorz
André Gorz [Via: Instituto Humanitas Unisinos
André Gorz (Gérard Horst), foi um filósofo austro-francês, também conhecido pelo pseudônimo Michel Bosquet. Nasceu em 9 de fevereiro de 1923, na cidade de Viena, sendo posteriormente naturalizado francês. Seu tema central foi o trabalho: liberação do trabalho, justa distribuição de trabalho, trabalho alienado, etc, além de defender a renda básica de garantia. É autor de Metamorfoses do Trabalho, obra na qual analisa, entre outras questões, a relação entre o cálculo contábil e a racionalidade econômica.

Mas e aí? Já leram o livro Carta a D. ou algum outro livro neste estilo? O que acharam? Deixem suas opiniões e dicas nos comentários e até a próxima postagem!
Continue lendo

Resenha do livro Hippie

Em
19 setembro, 2018
Por Dora Sales
Capa do livro Hippie

Olá Lebres! A postagem de hoje é a resenha do livro Hippie do autor brasileiro Paulo Coelho, nesta edição linda do selo paralela, do Grupo companhia das letras. Esta é a obra que mais se aproxima de uma autobiografia de Paulo Coelho, onde ele conta histórias fascinantes que viveu em sua juventude. Vamos conhecer a obra?
Resumo da obra: Paulo é um jovem que quer ser escritor, deixa os cabelos longos e sai pelo mundo à procura da liberdade e do significado mais profundo da existência. Sua jornada começa com uma viagem pela América do Sul - passando por Machu Picchu, no Peru, Chile e Argentina - até o encontro com Karla, em Amsterdã, quando juntos resolvem ir até o Nepal no Magic Bus. No caminho, os companheiros vivem uma extraordinária história de amor, passam por transformações profundas e abraçam novos valores para suas vidas.
Capa do livro Hippie
Título original: Hippie
Autor: Paulo Coelho 
Capa: Alceu Chiesorin Nunes
Número de páginas: 288
Editora: Paralela (Companhia das Letras)
Edição: 1ª edição
Ano: 2018
Idioma: Português (Brasil)
Preço: R$ 39,90
Minha Avaliação: ★★★

O primeiro contato que tive com Paulo Coelho foi através de seu livro mais conhecido: O alquimista. Este foi um livro recomendado pela escola durante o ensino médio. Apesar disso, só fiquei de fato interessada nos livros do autor depois que li "Brida" e "Veronika decide morrer", achei os livros muito interessantes e rápidos de ler.

Com "Hippie" tive uma quarta oportunidade de não apenar ler outro livro de Paulo Coelho, como também conhecer sua história de vida. Aqui, apesar de ser uma espécie de autobiografia, o autor utiliza da terceira pessoa para que os demais personagens, não apesar o protagonista Paul, de sua trama possam ter uma voz e para que nós leitores possamos ter um contato ainda maior com todos os personagens.

Como o próprio título já diz, a trama se passa na década de 1970, quando o movimento Hippie estava em seu auge, já que começou a ganhar maior visibilidade entre os jovens ao redor do mundo. Jovens estes que costumavam se agrupar para conversar, trocar conhecimentos e utilizar drogas.

Muitos eram os locais de encontro entre os integrantes do movimento Hippie, porém, os dois maiores paraísos hippies do mundo estavam localizados em Amsterdam e em Londres. Para realizar estas viagens os jovens obtinham conhecimentos a partir de livros tais como o guia de viagem "Europa a 5 doláres".

A partir de livros como este que Paulo faz suas viagens. Entre elas conhece Karla, uma holandesa que estava em busca de uma companhia para ir até o Nepal de ônibus por 70 dólares e que vê em Paulo tal companhia, embarcando com ele em uma grande aventura no Magic Bus.

Além destas viagens, o autor utiliza este livro para contar um lado mais sombrio e traumático de sua vida, as vezes em que foi preso e torturado. Paulo Coelho foi preso três vezes durante sua vida, porém em Hippie ele resume estas prisões em apesar uma, mostrando o sofrimento que passou durante este período.

Recomendo muito este livro para todos os fãs do autor, para aqueles que querem conhecer melhor sua história e para os leitores apaixonados por tramas sobre viagens. Além deste livro, também recomendo os demais livros de Paulo Coelho sitados nesta postagem.

A edição da editora Paralela é relativamente pequena, tanto em comprimento, quanto em número de páginas, medindo 20 cm x 14 cm e contendo 288 páginas ao todo. A edição é em brochura, com aspecto de borrada, com orelhas e folhas amareladas.

Sobre o Autor
Paulo Coelho
Paulo Coelho [Via: Veja]
Paulo Coelho é um escritor, letrista e jornalista brasileiro, nascido em 24 de agosto de 1947 no Rio de Janeiro. Entre suas obras mais conhecidas estão: O alquimista, Brida, Onze Minutos, Veronika decide morrer, etc, sendo O alquimista o livro brasileiro mais vendido de todos os tempos, tendo sido recomendado por grandes nomes mundiais, tais como Barack Obama. 

Mas e aí? Já leram Hippie ou algum outro livro do Paulo Coelho? O que acharam? Deixem suas opiniões e dicas nos comentários e até a próxima postagem =D
Continue lendo

Resenha do livro Interferências

Em
12 setembro, 2018
Por Dora Sales
Capa do livro Interferências

Olá Lebres! Como vocês estão? A postagem de hoje será a resenha do livro Interferências, escrito pela autora Connie Willis e recebido pelo Grupo Companhia das Letras através do seu selo Suma de Letras. Aqui além de muito romance, a autora também faz uso da ficção científica, apresentando uma ideia bastante peculiar para que a empatia entre pessoas seja aumentada. Vamos conhecer a obra?
Resumo da obra: Em um futuro não muito distante, um simples procedimento cirúrgico é capaz de aumentar a empatia entre os casais, e ele está cada vez mais na moda. Por isso, Briddey Flannigan fica contente quando seu namorado, Trent, sugere que eles façam a cirurgia antes de se casarem. A ideia é que eles desfrutem de uma conexão emocional ainda maior, e que o relacionamento fique ainda mais completo. Bem, essa é a ideia. Mas as coisas acabam não acontecendo como o planejado: Briddey acaba se conectando com outra pessoa, totalmente inesperada.
Capa do livro Interferências
Título original: Crosstalk
Autor: Connie Willis
Tradutor: Viviane Diniz Lopes
Número de páginas: 464
Editora: Suma (Companhia das Letras)
Edição: 1ª edição
Ano: 2018
Idioma: Português (Brasil)
Preço: R$ 59,90
Minha Avaliação: ★★

Em Interferências nós acompanhamos a vida da jovem Briddey, que trabalha em uma empresa tecnológica estudando as comunicações sociais e que vive constantemente perseguida por pessoas ao seu redor, graças a comunicação sem fim vivida por todos os personagens neste futuro não tão distante.

Todas as pessoas nesse futuro possuem um smartphone de última geração e vivem única e exclusivamente para esta tecnologia, em uma dependência extremamente exagerada. Briddey sofre bastante com esse exagero, pois seu trabalho e vida amorosa nunca passam despercebidos pelos seus colegas e familiares, todos estão sempre conectados e inteirados.

Briddey tenta ao máximo esconder que ela e seu namorado Trent pretendem fazer a cirurgia EED para que o vínculo entre os dois aumente, porém, em pouquíssimo tempo todos já estão sabendo e dando palpites sobre o que ela deve ou não fazer.

Esta comunicação constante entre os personagens, além de exagerada, é também muito irritante. Briddey não possui nenhum momento de privacidade, assim como nenhum outro personagem, seus colegas de trabalho, suas irmãs, sua tia e sua secretária lhes mandam mensagens toda hora, o que dificulta bastante quando ela e Trent precisam ficar horas e horas sem seus smartphones para realizarem a cirurgia de empatia.

As coisas ficam ainda mais complicadas quando Briddey percebe que não se conectou com seu namorado, mas com alguém da empresa onde trabalha. C.B é um cara nerd e desajustado, que põe medo nas pessoas por ficar isolado dos demais e acaba se conectando telepaticamente com Briddey no lugar de Trent. Seu trabalho é criar ideias para novos smartphones e para isso passa a maior parte do tempo em seu laboratório.

Aqui a autora apresenta uma ideia de futuro que de fato não está distante e pode muito bem acontecer: a dependência tecnológica. Com o acesso à redes sociais, está cada vez mais fácil a comunicação entre pessoas em todos os lugares do mundo, porém, está comunicação pode também acabar com o contato presencial e físico entre as pessoas e com a privacidade das mesmas.

Apesar da ótima ideia, devo confessar que não gostei desta obra. Achei sua história muito clichê e previsível, além disso, apesar de se passar em um futuro não tão distante, também senti que a história e as referências presentes no livro estavam bem ultrapassadas, fato que me incomodou bastante durante a leitura. A trama também demorou para avançar, tendo sido muito repetitiva. Porém, recomendo para os leitores que gostam de histórias românticas (que não é o meu caso), pois acredito que será uma leitura bastante agradável e envolvente.

A edição da editora Suma de Letras é em brochura, com acabamento em aspecto borrachudo, tem uma capa muito bonita, páginas amareladas, possui 464 e mede 22 cm x 16 cm.

Sobre o Autor
Connie Willis
Connie Willis [Via: The Lotts Agency]
Constance Elaine Trimmer Willis, conhecida como Connie Willis, é uma escritora estadunidense de ficção científica e uma das mais prestigiadas e premiadas escritoras do gênero. Nasceu em 31 de dezembro de 1945 na cidade de Denver, EUA. Ganhou onze Prêmios Hugo e sete Prêmios Nebula. Foi incluída no Hall da Fama da Ficção Científica em 2009 e foi nomeada pela Science Fiction Writers of America para o prêmio Damon Knight Memorial Grand Master em 2011.

Mas e aí? Já leram o livro Interferências ou algum outro livro neste estilo? O que acharam? Deixem suas opiniões e dicas nos comentários e até a próxima postagem!
Continue lendo

Resenha do livro A incendiária

Em
05 setembro, 2018
Por Dora Sales
Livro A Incendiária
Oi Lebres! Como estão? A postagem de hoje é a resenha do livro A incendiária, de Stephen King. Um relançamento do selo Suma, da editora Companhia das Letras. Este é um dos maiores sucessos do autor e estava esgotado no brasil até então e agora ganhou uma novissima edição para compor a coleção de Stephen King. Vamos conhecer a trama?
Resumo da Obra: Andy e Vicky eram apenas universitários precisando de uma grana extra quando se voluntariaram para um experimento científico comandado por uma organização governamental clandestina conhecida como “a Oficina”. As consequências foram o surgimento de estranhos poderes psíquicos que tomaram efeitos ainda mais perigosos quando os dois se apaixonaram e tiveram uma filha. Desde pequena, Charlie demonstra ter herdado um poder absoluto e incontrolável. Pirocinética, a garota é capaz de criar fogo com a mente. Agora o governo está à caça da garotinha, tentando capturá-la e utilizar seu poder como arma militar. Impotentes e cada vez mais acuados, pai e filha percorrem o país em uma fuga desesperada, e percebem que o poder de Charlie pode ser sua única chance de escapar.
Capa do livro A incendiáriaTítulo original: Firestarter 
Autor: Stephen King
Capa: Alceu Chiesorin Nunes
Tradução: Regiane Winarski
Número de páginas: 448
Editora: Suma (Grupo Companhia das Letras)
Ano: 2018
Idioma: Português (Brasil)
Preço: R$ 64,90
Minha Avaliação: ★★★


Antes de dar o meu parecer sobre a obra, devo confessar que está a minha primeira oportunidade de ler um livro do autor Stephen King, logo agradeço ao Grupo Companhia das Letras por esta grande oportunidade =)

Como dito no resumo da obra, nós acompanhamos aqui a menina de oito anos Charlene "Charlie" McGee e seu pai Andrew "Andy" McGee em sua fuga. No início do livro não sabemos ao certo o que está acontecendo, quem são os personagens e qual o motivo de terem tanto medo, mas com o passar das páginas a trama é melhor apresentada para nós.

Andy e Vicky, a mãe de Charlie, passaram por uma bizarra experiência quando eram jovens para obterem dinheiro, foi nesta época e circunstância que se conheceram. Este experimento deu poderes psíquicos aos dois. Sua filha acabou herdando os genes modificados dos pais, obtendo o poder de atear fogo a onde quiser.

Esse poder, porém, acabou fugindo do controle da menina, assuntando seus pais e provocando alguns acidentes. Para que este poder não se manifestasse mais, Andy e Vicky criaram um trauma na mente de Charlie, deixando-a com medo de si mesma e medo de ferir as pessoas e objetos ao seu redor.

No entanto, tal poder foi avistado pela sociedade que realizou o experimento em Andy e Vicky, a chamada "Oficina", que passou a perseguir a família em busca de capturar e estudar os poderes de Charlie. Nesta perseguição Vicky foi assassinada pela equipe da Oficina e Andy e sua filha tiveram que fugir para não sofrerem o mesmo destino.

Infelizmente para os dois, a Oficina consegue capturá-los e separá-los, mas Charlie não aceita cooperar com os testes, se recusando a utilizar seus poderes. Cabe então a equipe da Oficina criar um plano para que tanto Andy, quando Charlie demonstrem os seus poderes, porém tal demonstração não ocorrerá sem grandes consequências.

Apesar da história ser bastante interessante, ela é muito densa e triste o tempo todo e tive a impressão de que as coisas começaram a se repetir com muita frequência na trama. Acredito que se a obra tivesse menos páginas a história ficaria mais condensada e consequentemente menos cansativa para o leitor. Mas obviamente que esta foi apenas a minha impressão do livro. No entanto, pretendo ainda ler muitas outras obras do autor.

A edição do selo Suma de Letras possui páginas amarelas, tem capa dura com aspecto emborrachado, mede 23 cm x 16 cm e possui ao todo 448 páginas, contando com um prefácio e notas do autor.

Sobre o Autor
Stephen King
Stephen King: [Via The Fire Wire]
Stephen King Stephen Edwin King é um escritor norte-americano nascido em 21 de setembro de 1947 em Portland. É reconhecido como um dos mais notáveis escritores de contos de horror fantástico e ficção de sua geração. Os seus livros já venderam quase 400 milhões de cópias, com publicações em mais de 40 países. Muitas de suas obras foram adaptadas para o cinema. É o nono autor mais traduzido no mundo. Entre suas obras mais conhecidas estão: Conta Comigo, Um Sonho de Liberdade, Christine, Eclipse Total, Lembranças de um Verão, It a coisa, e À Espera de um Milagre.

Bom pessoal, é isso! Espero que tenham gostado, mas eaí, já leram A Incendiária? Gostaram? Já leram alguma obra do Stephen King? Sim? Não? Se sim, qual é a sua obra favorita dele? Não se esqueçam de comentar aqui embaixo, pelo Facebook ou pelo Blogger, vou adorar ler as respostas de vocês!
Continue lendo

© Toca da Lebre – Desenvolvido com por Iunique