Destaques

Resenha da HQ Dylan Dog: Um cobrador de matar

Em
10 agosto, 2020
Por Dora Sales

Olá Lebres! A resenha de hoje será de uma HQ recebida diretamente da Mythos Editora, trata-se da HQ Dylan Dog: "Um cobrador de matar" o décimo quinto volume da revista, que acompanha o investigador do pesadelo em mais uma de suas grandes aventuras. Vamos ler a resenha?
Resumo da obra: Uma multa por imposto de renda não pago há mais de dez anos é só o início de uma pavorosa série de eventos dramáticos, aparentemente sem relação entre si, que fazem Dylan afundar num abismo de miséria e desespero que logo também envolve os seus amigos mais queridos. Uma situação que parece não ter saída... além daquela definitiva!
Capa da HQ Dylan Dog O caminho da vidaRoteiro: Giovanni Di Gregorio
Desenhos: Giampiero Casertano
Tradução: Júlio Schneider
Letras: Silvia Lucena  
Editores: Dorival Vitor Lopes
Número de páginas: 100
Editora: Mythos Editora
Volume: 15
Preço de capa: R$ 28,90
Minha Avaliação: 

Em Dylan Dog Um cobrador de matar, o investigador vai enfrentar o maior todos os seus pesadelos, pois quem bate em sua porta, desta vez, não é um cliente em busca de ajuda em um mistério caso, mas Horace Sterling, da Receita Federal Britânica.


O que ocorre nesta aventura é que Dylan Dog está completamente no vermelho e o setor de cobrança detectou a falta de pagamento dos impostos de 1996.


Dylan, no entanto, tem certeza de que o imposto referente a esse ano foi pago, mas tem apenas quatro dias para apresentar o recibo de pagamento e não consegue encontrar o recibo em seus arquivos.


Para piorar a situação, o banco se recusa a lhe fornecer um empréstimo. Outras pessoas também estão passando pelo mesmo problema de Dylan, alguns inclusive tomam decisões extremas para se livrarem desse mal financeiro. Dylan Dog terá que encontrar uma maneira de solucionar esse problema sem ficar completamente louco.  

A edição da Mythos Editora é um lançamento de 2020, está em formato pequeno (21x16), em capa cartão e lombada quadrada e possui ao todo 100 páginas. A edição conta com prefácio escrito pelo editor Júlio Schneider, recapitulando a história do personagem.

Sobre o Autor e o Ilustrador

Giovanni Di Gregorio [Via: Europe Comics]

Giovanni Di Gregorio nasceu em Palermo, Itália, em 1973, mas logo descobriu que gostava de se mudar. Ele morou por algum tempo na Itália, Canadá, França, Inglaterra e Espanha. Após o doutorado em química, dedicou-se à história da ciência e trabalhou no Science Museum de Londres. Em seguida, obteve o título de mestre em cooperação internacional e atuou como voluntário em zonas de conflito na Albânia, Nicarágua, Kosovo e Chiapas. Fascinado por histórias em quadrinhos, ele começou a escrever roteiros para a Panini Comics e decidiu há 15 anos se dedicar à escrita. Ele publicou mais de 100 volumes, para um total de mais de 10.000 páginas. Com a maior editora italiana, Sergio Bonelli Editore, colabora nas séries "Dylan Dog" e "Dampyr" e também trabalha com Walt Disney Italia ("Topolino") e Tunué ("Monster Allergy"; Europe Comics em inglês) . Além disso, ele ensina roteiro e história em quadrinhos na Escola Joso em Barcelona e atualmente está trabalhando em "Les Soeurs Grémillet", em colaboração com o artista italiano Alessandro Barbucci (Dupuis; "The Grémillet Sisters," Europe Comics).


Giampiero Casertano (Milão, 26 de abril de 1961) é um cartunista italiano. Enquanto cursava a escola artística de Milão tornou-se assistente de Leone Cimpellin, para quem, nos anos setenta, fez as revisões em tinta da série Jonny Logan e alguns episódios da série Eroi do Editorial Dardo; depois, começou a colaborar com a Boy Music , publicando cinco histórias gratuitas sobre textos de Giorgio Pelizzari; aqui ele foi notado por Alfredo Castelli, que o fez se juntar a Sergio Bonelli Editore, onde estreou ajudando Carlo Ambrosini na criação de uma história de Ken Parker. Ele é então colocado na equipe de Martin Mystère, a revista pela qual ele estreou em 1984; depois, mudou-se para a série Dylan Dog em 1986, pela qual fez muitas histórias ao longo dos anos; ele também foi contratado para criar as capas de uma nova série de Bonelli, Nick Raider ; mais tarde, dedicou-se apenas à série Dylan Dog e, no final dos anos 90, também um número da série Napoleão.

Mas e aí? Conhecem o personagem Dylan Dog? Já leram algum de seus quadrinhos? Estão acompanhando as publicações da Mythos Editora? Deixem suas opiniões nos comentários e até a próxima postagem!
Continue lendo

Resenha da HQ Mulher Maravilha: Pele Vol.5

Em
03 agosto, 2020
Por Dora Sales
Imagem da HQ Mulher Maravilha: Pele Vol.5

Olá Lebres! A HQ de hoje é o quinto e penúltimo volume da fase da personagem Mulher Maravilha nos Novos 52 intitulada Pele, escrita por Brian Azzarello, desenhada por Tony Akins e Goran Sudzuka e publicada inicialmente em 2012.  Vamos confirir a resenha do volume?
Resumo da Obra: Ares está morto. Uma nova Deusa da Guerra caminha pela Terra, e seu nome é Diana de Themyscira. Obrigada a seguir um caminho que nunca quis, a Mulher-Maravilha agora precisa decidir se assumirá o papel que lhe foi imposto no panteão dos deuses gregos, ou tentará criar seu próprio destino, por mais perigoso que isso seja. Mas o tempo para meditar será bastante curto, já que sua problemática (e infinitamente destrutiva) família já está novamente pronta para a guerra. E ainda: a origem secreta do Primogênito.
Capa HQ Mulher Maravilha: Pele
Roteiro: Brian Azzarello 

Desenhos: Cliff Chiang, Tony Akins, Goran Sudzuka
Tradução: Mario C. Luiz Barroso
Letras: Silvia Lucena, Valéria Calipo
Editores: Bernardo Santana, Daniel Lopes
Número de páginas: 164
Editora: Panini
Volume: 5
Preço de capa: de R$ 48,00
Minha Avaliação: 


Na primeira edição deste volume, somos apresentados a origem elaborada especialmente para o personagem Primogênito, onde descobrimos o que lhe aconteceu após ter sido separado de sua mãe Hera e como fez para finalmente juntar seu próprio exército e chamar a atenção dos Deuses do Olimpo, após milênios sendo completamente ignorado.

Seguindo a história do volume anterior, com a morte de Ares, o Deus da Guerra, Diana é convocada por Hermes a assumir seu lugar no trono, porém se nega a colaborar com os Deuses. Milão é sequestrado por Cassandra para que a leve até o Primogênito e cabe a Diana e Orion salvar o irmão e amigo.

Enquanto isso, a Deusa da Discórdia elabora um plano para se vingar de Diana e Zola. Apolo, por sua vez, trava sua própria batalha contra o Primogênito para obter sua adoração ou seu sacrifício, mas Primogênito não será vencido tão facilmente.

Com a queda de Apolo, é chegada a hora de todos se assumirem seus lugares, juntarem seus exércitos e se prepararem para a grande guerra que está por vir de deuses contra deuses.

Esta edição da Panini foi elaborada em Capa Dura de Luxo com lombada quadrada, papel couché e em formato americano (17x26). O volume contém as edições Wonder Woman 24-29 e Wonder Woman 23.2.

Sobre o autor
Brian Azzarello
Brian Azzarello [Via: Geek Area]
Brian Azzarello é um escritor de histórias em quadrinhos norte-americano, nascido em 11 de agosto de 1962. Azzarello é bastante conhecido pelo público que lê quadrinhos por seus trabalhos na DC Comics e Vertigo Comics, entre seus principais trabalhos estão a aclamada fase da Mulher Maravilha nos Novos 52 e a série 100 Balas, no entanto, também escreveu edições da série Hellblazer, Lex Luthor: Homem de Aço, e Antes de Watchmen: Comediante. Atualmente está trabalhando na série O cavaleiro das trevas III em parceria com Frank Miller. 

Sobre os Ilustradores
Imagem da HQ Mulher Maravilha: Pele
Imagem extraída da HQ Mulher Maravilha: Guerra
Cliff Chiang é um ilustrador americano graduado em Literatura Inglesa e Artes Visuais pela Universidade de Harvard. Iniciou sua carreira como editor assistente da Editora Vertigo, pertencente a DC Comics. Entre seus trabalhos mais conhecidos estão a série Green Arrow/Black Canary e Wonder Woman New 52.
Tony Akins é um artista americano nascido em 1 de novembro de 1960, conhecido pelo seu trabalho na Editora Vertigo nas séries Fables, Jack of Fables, Hellblazer, e Wonder Woman New 52.

Se você gostou desta resenha, irá gostar também de:
  • Resenha da HQ Mulher Maravilha: Sangue Vol.1
  • Resenha da HQ Mulher Maravilha: Direito de Nascença Vol.2
  • Resenha da HQ Mulher Maravilha: Força Vol.3
  • Resenha da HQ Mulher Maravilha: Guerra Vol.4
  • Resenha da HQ Mulher Maravilha: Pele Vol.5
Mas e aí? Já leram Mulher Maravilha: Pele? Estão fazendo a coleção Os Novos 52: Mulher Maravilha? Corram que ainda dá tempo de comprar os volumes anteriores. E não se esqueçam de deixar suas opiniões e dicas de leitura nos comentários e até a próxima postagem!
Continue lendo

Resenha da HQ Blacksad Vol. 4

Em
22 julho, 2020
Por Dora Sales
Resenha da HQ Blacksad Vol. 4

Olá Lebres! Para a resenha de hoje, trago o quarto volume da HQ europeia Blacksad, uma série de quadrinhos escrita por Díaz Canales e desenhada por Juanjo Guarnido, que traz uma história de investigação noir, protagonizada pelo gato John Blacksad. Vamos conhecer um pouco a obra?
Resumo da obra: Sartre afirma que o inferno são os outros. Admito que os outros podem tornar sua vida insuportável, mas também podem ser seus companheiros no paraíso. Para mim o inferno é o nada. Um lugar sem meus amigos, sem música, sem palavras que estimulem a imaginação ou sem beleza que exalte os sentidos.
Capa da HQ BlackSad Vol.4
Título original: BlackSad Vol.4: El infierno, el silencio
Autor: Juan Díaz Canales
Ilustrador: Juanjo Guarnido
Tradução: Miguel Del Castillo
Número de Páginas: 64
Editora: Sesi-SP
Idioma: Português (Brasil)
Preço: R$ 49,00
Minha Avaliação: ★★★

Em Blacksad Volume 4, o protagonista John Blacksad se encontra em New Orleans para um novo trabalho. John é contratado para encontrar o paradeiro de um famoso musico viciado em heróina chamado Sebastian. Suspeita-se que o sujeito estaria sendo perseguido por alguém

Sebastian havia abandonado sua esposa grávida após compor uma misteriosa música, o que leva a crer na possibilidade de algum conflito familiar, que poderia estar ligado ao desaparecimento do musico. Blacksad tenta encontrar os possíveis suspeitos desse desaparecimento e também os motivos para tal desaparecimento ao frequentar clubes de Jazz e conversar com conhecidos da vítima.

O responsável por contratar Blacksad é o empresário Fausto Lachapelle, um debilitado homem que utiliza das práticas vodu de Madame Gibraltar para tratar um câncer. Fausto era amigo de Sebastian e o via como um filho, tendo muito interesse em encontra-lo antes que faça alguma besteira com sua vida.

Arriscando sua vida inúmeras vezes, Blacksad investiga essa história bem afundo para encontrar uma solução para o caso, contando com as informações que obtêm da esposa de Sebastian, de Fausto, de seu filho Thomas Lachapelle e também das informações obtidas por seu parceiro Weekly.

Apesar da trama de O inferno, o silêncio ser um pouco inferior a trama dos volumes anteriores, entregando uma história mais simples e repetitiva, a arte desde volume é esplêndida, uma das mais lindas da coleção. 

A edição publicada pela SESI-SP é em brochura, lombada quadrada e em formato grande, medindo 30,7 cm X 23,4 cm.

Sobre o Autor e o Ilustrador
Juan Diaz Canales e Juanjo Guardino
Díaz Canales & Guarnido [Via: Wikipédia]
Juan Díaz Canales é um artista de quadrinhos espanhol e diretor de animação, conhecido como o co-criador de Blacksad, nascido em 1972. Em tenra idade, Juan Díaz Canales se interessou por quadrinhos e sua criação, que progrediu e se ampliou para incluir filmes de animação. Na idade de 18 anos, ele entrou em uma escola de animação. Em 1996 fundou, junto com outros três artistas, uma empresa chamada Tridente Animation. Com isso, ele trabalhou com empresas europeias e americanas, fornecendo enredos e roteiros para quadrinhos e filmes de animação, além de dirigir séries animadas de televisão e filmes de animação. Durante este período, ele conheceu Juanjo Guarnido , com quem Canales decidiu criar quadrinhos baseados em torno de um investigador particular, Blacksad. Depois de entrar em contato com vários editores, Guarnido e Canales finalmente assinaram contrato com a editora francesa Dargaud , e em novembro de 2000, Quelque part entre les ombres (Somewhere within the Shadows) foi publicado.

Juanjo Guarnido é um ilustrador espanhol e co-autor da série de quadrinhos Blacksad, nascido em 1969. Guarnido colaborou em vários fanzines e produziu trabalhos para a Marvel Comics. Infelizmente, o pequeno tamanho do mercado espanhol obrigou-o a recorrer a outros meios de ganhar a vida. Em 1990, ele deixou Granada e se mudou para Madri, onde trabalhou em uma série de TV por três anos. Lá ele conheceu Juan Díaz Canales, com quem ele discutiu a produção de quadrinhos. Em 1993, Guarnido candidatou-se a um emprego no Walt Disney Studios em Montreuil, na França, e consequentemente mudou-se para Paris. Ele foi o principal animador do jaguar do filme da Disney, Tarzan. 

Mas e aí? Já leram algum dos volume de Blacksad? Curtiram a resenha e querem ver os outros volumes resenhados aqui? Deixem suas opiniões e dicas nos comentários e até a próxima postagem!
Continue lendo

Resenha da HQ Blacksad Vol.5

Em
20 julho, 2020
Por Dora Sales
Resenha da HQ Blacksad Vol.5

Olá Lebres! Para a resenha de hoje, trago o quinto, e último volume publicado no Brasil, da HQ europeia Blacksad, uma série de quadrinhos escrita por Díaz Canales e desenhada por Juanjo Guarnido, que traz uma história de investigação noir, protagonizada pelo gato John Blacksad. Vamos conhecer um pouco a obra?
Resumo da obra: Blacksad está em Nova Orleans, procurando emprego. Por acaso ele se depara com um rico texano que pede a ele para dirigir seu carro de volta para sua cidade natal. Perfeito! Um trabalho fácil e bom dinheiro, para não mencionar o belo carro! Então o detetive aceita. Mas, para seu espanto, o carro é roubado dele em um posto de gasolina por Chad Lowell e Abe Greenberg, dois escritores beatniks que querem chegar a Amarillo, Texas. As coisas logo ficam confusas quando Chad atira em Abe durante uma briga, matando-o. Forçado ao exílio, Chad encontra refúgio em um circo. Mas Blacksad é quente em sua trilha ao longo dessas estradas sem fim do sul da América.
Capa da HQ BlackSad Vol.5
Título original: BlackSad Vol.5: Amarillo
Autor: Juan Díaz Canales
Ilustrador: Juanjo Guarnido
Tradução: Miguel Del Castillo
Número de Páginas: 64
Editora: Sesi-SP
Idioma: Português (Brasil)
Preço: R$ 49,00
Minha Avaliação: ★★★

Em Blacksad Volume 5, o detetive John Blacksad decide arranjar um novo emprego menos violento, deixando um pouco de lado os trabalhos como detetive. É contratado por um milionário, que pede a John que leve seu Cadillac para a cidade de Amarillo, Texas, enquanto o contratante pega um voo.

Durante o percurso o carro é roubado pelo jovem poeta Chad e seu agressivo amigo Abraham. Blacksad acaba sendo suspeito do crime e precisa investigar os dois amigos para conseguir provar sua inocência.

Chad é um escritor promissor, mas acaba se envolvendo sem querer em um crime ainda maior que o roubo do carro, ao assassinar Abraham em um acesso de raiva. Após esses crimes Chad acaba se envolvendo em ainda mais problemas, enquanto Blacksad o procura incansavelmente.


Esse volume é excelente, apesar de não ter o detetive John Blacksad como protagonista, ele apresenta uma trama bastante semelhante a RoadMovies e proporciona ao leitor um dos melhores volumes da série. 

A edição publicada pela SESI-SP é em brochura, lombada quadrada e em formato grande, medindo 30,7 cm X 23,4 cm.

Sobre o Autor e o Ilustrador
Juan Diaz Canales e Juanjo Guardino
Díaz Canales & Guarnido [Via: Wikipédia]
Juan Díaz Canales é um artista de quadrinhos espanhol e diretor de animação, conhecido como o co-criador de Blacksad, nascido em 1972. Em tenra idade, Juan Díaz Canales se interessou por quadrinhos e sua criação, que progrediu e se ampliou para incluir filmes de animação. Na idade de 18 anos, ele entrou em uma escola de animação. Em 1996 fundou, junto com outros três artistas, uma empresa chamada Tridente Animation. Com isso, ele trabalhou com empresas europeias e americanas, fornecendo enredos e roteiros para quadrinhos e filmes de animação, além de dirigir séries animadas de televisão e filmes de animação. Durante este período, ele conheceu Juanjo Guarnido , com quem Canales decidiu criar quadrinhos baseados em torno de um investigador particular, Blacksad. Depois de entrar em contato com vários editores, Guarnido e Canales finalmente assinaram contrato com a editora francesa Dargaud , e em novembro de 2000, Quelque part entre les ombres (Somewhere within the Shadows) foi publicado.

Juanjo Guarnido é um ilustrador espanhol e co-autor da série de quadrinhos Blacksad, nascido em 1969. Guarnido colaborou em vários fanzines e produziu trabalhos para a Marvel Comics. Infelizmente, o pequeno tamanho do mercado espanhol obrigou-o a recorrer a outros meios de ganhar a vida. Em 1990, ele deixou Granada e se mudou para Madri, onde trabalhou em uma série de TV por três anos. Lá ele conheceu Juan Díaz Canales, com quem ele discutiu a produção de quadrinhos. Em 1993, Guarnido candidatou-se a um emprego no Walt Disney Studios em Montreuil, na França, e consequentemente mudou-se para Paris. Ele foi o principal animador do jaguar do filme da Disney, Tarzan. 

Mas e aí? Já leram algum dos volume de Blacksad? Curtiram a resenha e querem ver os outros volumes resenhados aqui? Deixem suas opiniões e dicas nos comentários e até a próxima postagem!
Continue lendo

Resenha da HQ Mulher Maravilha: Guerra Vol. 4

Em
10 julho, 2020
Por Dora Sales
Capa da HQ Mulher Maravilha: Guerra

Olá Lebres! A HQ de hoje é o quarto volume da fase da personagem Mulher Maravilha nos Novos 52 intitulada Guerra, escrita por Brian Azzarello, desenhada por Tony Akins e Goran Sudzuka e publicada inicialmente em 2012. Confira a resenha do volume:
Resumo da Obra: Diana consegue resgatar o bebê de Zola, que agora é chamado de Zeke com o Z de Zeus, no entanto os problemas relacionados a sua proteção não diminuem, pois Ártemis (Lua) vai atrás do bebê a mando de seu irmão Apolo. Enquanto os deuses perdem seu tempo atrás do filho mais novo de Zeus, o seu filho mais velho "o Primogênito" começa a fazer avanços em seus planos, tornando-se uma ameaça real não apenas para Apolo e seu trono, mas para toda a humanidade, pois após passar a vida inteira exilado, agora ele deseja exterminar a Terra, o Olimpo e todos a sua volta. Para proteger Diana e seu grupo, Orion consegue atrasar o Primogênito levando a todos para Nova Gênese para reporem suas forças. No entanto parece que Pai Celestial tem outros planos em relação a Zeke. 
Capa HQ Mulher Maravilha: GuerraRoteiro: Brian Azzarello 
Desenhos: Cliff Chiang, Tony Akins, Goran Sudzuka
Tradução: Mario C. Luiz Barroso
Letras: Silvia Lucena, Valéria Calipo
Editores: Bernardo Santana, Daniel Lopes
Número de páginas: 148
Editora: Panini
Volume: 4
Preço de capa: de R$ 39,90
Minha Avaliação: 

Neste volume temos um maior desenvolvimento do personagem Primogênito, descobrimos um pouco mais sobre seus planos para assumir o Olimpo e nos deparamos com sua relação com Hera. Ela é outra personagem bem desenvolvida neste volume, apesar de não ter tanto foco quanto nos volumes anteriores. Sua relação de amor e arrependimento perante Primogênito acaba refletindo em sua relação com o bebê Zeke.
Imagem da HQ Mulher Maravilha: Guerra
Imagem extraída da HQ Mulher Maravilha: Guerra
Finalmente Diana e seu grupo de amigos estão cientes da ameaça de Primogênito, assim como os demais deuses do Olimpo, como Apolo, Ártemis e Poseidon, eles sabem seu objetivo na Terra e seu plano de destruir o Olimpo e todos dentro dele.

O foco deste volume, e em minha o ponto alto, está na relação entre Diana e Orion. No inicio a relação era extremamente conturbada, mas ao final percebemos que os dois, apesar das divergências, tem muito em comum e podem lutar lado a lado pela mesma causa.

Esta edição da Panini foi elaborada em Capa Dura de Luxo com lombada quadrada, papel couché e em formato americano (17x26). O volume contém as edições Wonder Woman 19-23.

Sobre o autor
Brian Azzarello
Brian Azzarello [Via: Geek Area]
Brian Azzarello é um escritor de histórias em quadrinhos norte-americano, nascido em 11 de agosto de 1962. Azzarello é bastante conhecido pelo público que lê quadrinhos por seus trabalhos na DC Comics e Vertigo Comics, entre seus principais trabalhos estão a aclamada fase da Mulher Maravilha nos Novos 52 e a série 100 Balas, no entanto, também escreveu edições da série Hellblazer, Lex Luthor: Homem de Aço, e Antes de Watchmen: Comediante. Atualmente está trabalhando na série O cavaleiro das trevas III em parceria com Frank Miller. 

Sobre os Ilustradores
Imagem da HQ Mulher Maravilha: Guerra
Imagem extraída da HQ Mulher Maravilha: Guerra
Cliff Chiang é um ilustrador americano graduado em Literatura Inglesa e Artes Visuais pela Universidade de Harvard. Iniciou sua carreira como editor assistente da Editora Vertigo, pertencente a DC Comics. Entre seus trabalhos mais conhecidos estão a série Green Arrow/Black Canary e Wonder Woman New 52.
Tony Akins é um artista americano nascido em 1 de novembro de 1960, conhecido pelo seu trabalho na Editora Vertigo nas séries Fables, Jack of Fables, Hellblazer, e Wonder Woman New 52.

Se você gostou desta resenha, irá gostar também de:
  • Resenha da HQ Mulher Maravilha: Sangue Vol.1
  • Resenha da HQ Mulher Maravilha: Direito de Nascença Vol.2
  • Resenha da HQ Mulher Maravilha: Força Vol.3
  • Resenha da HQ Mulher Maravilha: Guerra Vol.4
  • Resenha da HQ Mulher Maravilha: Pele Vol.5
Mas e aí? Já leram Mulher Maravilha: Guerra? Deixem suas opiniões nos comentários e até a próxima postagem!
Continue lendo

Resenha do livro Entrevista com o Vampiro

Em
06 julho, 2020
Por Dora Sales
Resenha do livro Entrevista com o Vampiro

Olá Lebres! A resenha que trago hoje é do livro Entrevista com o Vampiro, de Anne Rice. O livro, publicado em 1976, faz parte da coleção de livros da autora chamada As Crônicas Vampirescas e conta a vida do vampiro Louis. Vamos conferir a resenha?
Resumo da Obra: Uma história que começa com a ousadia de um jovem repórter ao entrevistar Louis de Pointe du Lac nascido em 1766 e transformado em vampiro pelo próprio Lestat figura apaixonante que terminará ao longo da série arrebatando multidões como cantor de rock.´― Quer dizer que ele sugou o seu sangue? – perguntou o rapaz.― Sim o vampiro sorriu. É assim que se faz.´Louis esse vampiro que se recusa a livrar-se das características humanas e aceitar a crueldade e a frieza que marcam os vampiros continua a contar a história desde o início:´― Escute mantenha os olhos abertos – murmurou Lestat com os lábios encostados em meu pescoço.― Lembro-me que o movimento de seus lábios arrepiou todos os cabelos de meu corpo enviando uma corrente de sensações através de meu corpo que não me pareceu muito diferente do prazer da paixão...´É um mundo de uma fantasia impressionante um mundo gótico romântico esse criado por Anne Rice e traduzido por Clarice Lispector. O texto da autora americana não poderia ter melhor intérprete talvez mesmo cúmplice.
Capa do livro Entrevista com o Vampiro
Título original: Interview with the vampire
Autor: Anne Rice
Tradutor: Clarice Lispector
Número de páginas: 320
Editora: Rocco
Ano: 2020
Idioma: Português (Brasil)
Preço: R$ 54,90
Minha Avaliação: ★★


Já fazia muitos anos que eu queria ler Entrevista com o Vampiro, primeiro volume da série literária Crônicas Vampirescas de Anne Rice, mas confesso que demorei para fazer a aquisição por um motivo um pouco tosco... Achava a capa da edição anterior horrorosa e me recusava a tê-la na coleção (podem me julgar, eu deixo), mas com o lançamento da nova edição pude finalmente adquirir e ler a obra.

Escrito em forma de entrevista, a obra apresenta a história de vida do jovem francês Louis de Pointe du Lac, narrada por ele mesmo para o repórter Daniel. Nascido em 1766, Louis era o chefe de sua família e era responsável pelo gerenciamento dos negócios da fazenda, localizada em uma cidade próxima a New Orleans. Vivia com sua mãe, irmão e irmã, além dos escravos que os serviam.

Louis acaba entrando em uma terrível depressão após a morte de seu irmão, sendo, portanto, um alvo fácil para o Vampiro Lestat, que desejava encontrar alguém com uma fonte inesgotável de dinheiro e que pudesse lhe dar conforto em troca de receber lições sobre como lidar com o vampirismo. Louis desejava morrer, mas em troca acaba ganhando vida eterna.

O que Lestat não imaginava era que Louis seria um vampiro completamente diferente de si. Louis, apesar de não pertencer mais a classe dos vivos, mantinha seus sentimentos humanos, o que dificultava o trabalho de Lestat em transformá-lo em um legítimo vampiro e tornava a relação dos dois extremamente conflituosa.

Com a transformação a aparência de Louis sofreu algumas modificações, além disso, seus hábitos também mudaram, o que começava a despertar a curiosidade e o medo não apesar de seus familiares, mas dos escravos que serviam a fazenda. As diferenças entre os dois vampiros teriam que ser deixadas de lado para que ambos conseguissem sobreviver sem que fosse revelada sua natureza vampírica.

Valeu a pena esperar tantos anos para fazer essa leitura, a obra é maravilha! A edição tem um ótimo acabamento e é linda. Estou torcendo para que a @editorarocco republique os demais volumes da série em capa dura. 

A edição da editora Rocco trás um acabamento de luxo em capa dura, lombada quadrada e papel branco. O livro mede cerca de 23 cm x 16 cm e possui ao todo 320 páginas. O título possui relevo e acabamento em dourado e a capa tem aspecto emborrachado.

Sobre o Autor
Anne Rice
Anne Rice [Via: Wikipédia]
Howard Allen O'Brien, mais conhecida como Anne Rice, é uma escritora norte-americana, nascida em New Orleans em 4 de outubro de 1941, autora de séries de terror e fantasia. Ela mesma escolheu 'Anne' como primeiro nome, ao entrar na escola. Em 1956 perdeu a mãe, Katherine, e dois anos depois, com o pai casado novamente, a família mudou-se para a cidade de Richardson, no Texas, onde Anne conheceu seu futuro marido, o poeta e pintor Stan Rice, já falecido. Em seus livros, invariavelmente apresenta os seus vampiros como indivíduos com paixões, teorias, sentimentos, defeitos e qualidades, tal como os seres humanos, mas, com a diferença de terem que lutar pela sua sobrevivência por meio do sangue de suas vítimas e sua própria existência que, para alguns deles, é um fardo a ser carregado através das décadas, séculos e até mesmo milênios.

Mas e aí? Já leram Entrevista com o vampiro ou alguma das Crônicas Vampirescas? Já viram o filme? O que acharam? Deixem suas opiniões e dicas nos comentários e até a próxima postagem!
Continue lendo

Resenha da HQ Mulher Maravilha: Força Vol. 3

Em
26 junho, 2020
Por Dora Sales
HQ Mulher Maravilha: Força
Olá Lebres! A HQ de hoje é o terceiro volume da brilhante fase da Mulher Maravilha nos Novos 52, intitulada Força, escrita por Brian Azzarello, desenhada por Cliff Chiang e Tony Akins e publicada inicialmente em 2012. Confira a resenha:
Resumo da obra: No volume anterior Hermes sequestra o bebê de Zola e o leva até Deméter, Apolo se torna o novo Deus do Olimpo e transforma a esposa de Zeus, Hera em uma simples mortal a banindo do Olimpo e Diana vai em busca de uma forma de resgatar o filho de Zola, com a ajuda mais irmãos semi-deuses, no entanto, Orion de Nova Gênese aparece também procurando o bebê, mas com o objetivo inicial de matá-lo. Em contra partida acompanhamos a introdução de uma nova ameaça, o Primogênito, um deus filho de Hera e Zeus que está destinado a matar seu irmão Apolo e assumir o trono do Olimpo. 
Capa HQ Mulher Maravilha: ForçaRoteiro: Brian Azzarello 
Desenhos: Cliff Chiang, Tony Akins
Cores: Matthew Wilson
Tradução: Mario C. Luiz Barroso
Letras: Silvia Lucena, Valéria Calipo
Editores: Bernardo Santana
Número de páginas: 164
Editora: Panini
Volume: 3
Preço de capa: de R$ 31,90
Minha Avaliação: 

Novos personagens são apresentados nesse volume, entre eles os Deuses Dionísio, Primogênito e outros filhos bastardos de Zeus, assim como o personagem Orion, muito conhecido no universo DC por fazer parte dos Novos Deuses. Também dão maior ênfase no Deus da Guerra (Ares), apresentando na primeira edição o treinamento que fez com Diana quando a heroína ainda era uma criança entre as Amazonas.

HQ Mulher Maravilha: Força
Imagem extraída na HQ Mulher Maravilha: Força
Nesse volume, além do resgate do bebê de Zola, acompanhamos um personagem que descobrimos ser a verdadeira ameaça do Olimpo, o Primogênito, que após ser descongelado e despertado, decide tomar o seu lugar de nascença no trono agora ocupado por Apolo, mas até chegar lá ele decide ir matando os Deuses que encontra pelo caminho.

No entanto, o destaque do volume, em minha opinião, não é a missão de Diana ou do Primogênito, mas o relacionamento entre Zola e Hera, que agora são obrigadas a conviver uma com a outra, apesar de todo o confronto dos volumes anteriores. Agora ficamos a espera do quarto volume ainda sem previsão de lançamento, mas que irá responder algumas dúvidas deixadas nesta edição.

Esta edição da Panini foi elaborada em Capa Dura de Luxo com lombada quadrada, papel couché e em formato americano (17x26). O volume contém as edições Wonder Woman 13-18.

Sobre o autor
HQ Mulher Maravilha: Força de Brian Azzarello
Brian Azzarello [Via: Geek Area]
Brian Azzarello é um escritor de histórias em quadrinhos norte-americano, nascido em 11 de agosto de 1962. Azzarello é bastante conhecido pelo público que lê quadrinhos por seus trabalhos na DC Comics e Vertigo Comics, entre seus principais trabalhos estão a aclamada fase da Mulher Maravilha nos Novos 52 e a série 100 Balas, no entanto, também escreveu edições da série Hellblazer, Lex Luthor: Homem de Aço, e Antes de Watchmen: Comediante. Atualmente está trabalhando na série O cavaleiro das trevas III em parceria com Frank Miller. 


Sobre os Ilustradores
HQ Mulher Maravilha: Força
Imagem extraída na HQ Mulher Maravilha: Força
Cliff Chiang é um ilustrador americano graduado em Literatura Inglesa e Artes Visuais pela Universidade de Harvard. Iniciou sua carreira como editor assistente da Editora Vertigo, pertencente a DC Comics. Entre seus trabalhos mais conhecidos estão a série Green Arrow/Black Canary e Wonder Woman New 52.
Tony Akins é um artista americano nascido em 1 de novembro de 1960, conhecido pelo seu trabalho na Editora Vertigo nas séries Fables, Jack of Fables, Hellblazer, e Wonder Woman New 52.

Se você gostou desta resenha, irá gostar também de:
  • Resenha da HQ Mulher Maravilha: Sangue Vol.1
  • Resenha da HQ Mulher Maravilha: Direito de Nascença Vol.2
  • Resenha da HQ Mulher Maravilha: Força Vol.3
  • Resenha da HQ Mulher Maravilha: Guerra Vol.4
  • Resenha da HQ Mulher Maravilha: Pele Vol.5
Mas e aí? Já leram Mulher Maravilha: Força? Deixem suas opiniões nos comentários e até a próxima postagem!
Continue lendo

© Toca da Lebre – Desenvolvido com por Iunique