Destaques

Resenha do livro O tempo desconjuntado

Em
08 agosto, 2018
Por Dora Sales
Capa do livro O tempo desconjuntado

Olá Lebres! A postagem de hoje é a resenha do livro O tempo desconjuntado, que recebi diretamente do Grupo Companhia das Letras através do selo Suma. Esta não é a primeira vez que leio um livro do grande nome da ficção científica: Philip K. Dick. Meu primeiro contato com o autor foi através do livro Androides sonham com ovelhas elétricas? (cuja resenha vocês podem conferir lá no TopBuzz), por esta razão fiquei bastante animada ao ter a oportunidade de ler outro livro dele. Vamos conhecer O tempo desconjuntado?
Resumo da obra: Ragle Gumm tem uma rotina bastante peculiar: ele sempre acerta a resposta de um concurso diário do jornal local. Quando não está consultando seus gráficos e suas tabelas para esse trabalho, ele aproveita a vida tranquila em uma pequena cidade americana em 1959. Pelo menos é o que ele acha. Mas coisas estranhas começam a acontecer. Primeiro ele encontra uma lista telefônica, e todos os números parecem ter sido desconectados. Depois, uma revista de pessoas famosas traz na capa uma mulher belíssima, mas que ele nunca tinha visto e para piorar, objetos do dia a dia começam a desaparecer e são substituídos por pedaços de papel com seus nomes escritos. O que está acontecendo afinal?
Capa do livro O tempo desconjuntado
Título original: Time out of joint
Autor: Philip K. Dick
Tradução: Braulio Tavares 
Número de páginas: 267
Editora: Suma (Companhia das Letras)
Edição: 1ª edição
Ano: 2018
Idioma: Português (Brasil)
Preço: R$ 49,90
Minha Avaliação: ★★★


Em O tempo desconjuntado acompanhamos uma família americana bastante simples, composta pelo marido Vic, a esposa Margo, o filho Sammy e o tio Ragle. Vic trabalha em um supermercado todos os dias, sua mulher cuida da casa e do filho e enquanto isso, Ragle passa horas e horas estudando e decifrando as possíveis respostas para um concurso diário ao qual faz parte durante anos.

Ragle é o grande vencedor do concurso, nunca erra nenhuma resposta e está sempre em primeiro lugar, sendo bastante reconhecido por este fato. Porém, com o passar do tempo todo esse esforço acaba gerando alguns problemas psicológicos em Ragle, ou pelo menos é o que parece. Coisas estranhas começam a acontecer e ele tem a impressão de que está sendo constantemente seguido e vigiado.

Ele encontra uma lista telefônica onde nenhum dos números funcionam; os objetos a sua volta começam a desaparecer, deixando para trás apenas pedaços de papel indicando seus nomes; e uma lindíssima mulher chamada Marilyn Monroe aparece em uma capa de revista, no entanto, nem ele e nem ninguém de sua família a conhecem.

Para afastar estes pensamentos e tentar afastar estes problemas a única solução encontrada por Ragle é fugir de casa, mas será que isso irá ajudá-lo a afastar a sua paranoia?

Livro extremamente interessante para os fãs do autor e do gênero de ficção científica. Aqui o autor faz o leitor duvidar constantemente da realidade e se questionar até que ponto podemos justificar a paranoia. 

O livro do selo Suma é em uma edição especial, em formato pequeno, medindo 21x14 cm, em capa dura, com relevo nos títulos, páginas amarelas e possui ao todo 267 páginas. Não possui um sumário e é composto por 14 capítulos identificados por números no centro da página. 

Sobre o Autor
Philip K Dick
Philip K Dick [Via: Pinterest]
Philip K. Dick foi um escritor norte-americano nascido em 16 de dezembro de 1928 em Chicago, EUA. Ficou mundialmente famoso por seus romances de ficção científica, tendo escrito ínumeros livros e contos ao longo de sua vida, mas ficou conhecido principalmente por Androides sonham com ovelhas elétricas, graças ao carinho que o público nerd tem por esta obra.

Mas e aí? Já leram O tempo desconjuntado ou algum outro livro do autor? O que acharam? Não se esqueçam de deixar então suas opiniões e dicas nos comentários e até a próxima postagem!
Continue lendo

Resenha da HQ Sem Volta

Em
30 julho, 2018
Por Dora Sales

Olá Lebres! A resenha de hoje é de mais um quadrinho do escritor Charles Burns. Já havíamos publicado uma resenha de Black Hole, que você pode conferir Aqui, e desta vez trago o lançamento da Quadrinhos na Cia: Sem Volta. Confiram a resenha:
Resumo da obra: Sem volta é uma jornada delirante pelo território incerto e sombrio da memória. Enquanto se recupera de um trauma devastador, o jovem Doug tenta juntar as peças do seu passado. Sua paixão por Sarah, uma estudante de artes brilhante e atormentada; a doença do pai. O que de fato aconteceu? Entre homens-lagartos, ovos gigantes e a cena punk do final dos anos 1970, a história vai sendo montada e desmontada. Em que medida podemos confrontar o passado e conhecer a nossa própria história? É possível voltar atrás?
Capa da HQ Garota-Ranho Vol. 1
Título original: Last Look
Autor e ilustrador: Charles Burns
Tradução: Diego Gerlach
Número de Páginas: 176
Editora: Quadrinhos na Cia (Companhia das Letras)
Ano: 2018
Idioma: Português (Brasil)
Preço: R$ 69,90
Minha Avaliação: ★★★

Inicialmente publicado em três edições, a trilogia de Charles Burns é reunida em apenas um volume nesta edição. Nela acompanhamos Doug em seus devaneios entre realidade e sonho, passado e presente.

Doug vive em duas realidades paralelas, a realidade onde ele vai à festas com seus amigos da banda, lida com a doença e tristeza do pai, tem problemas em seus relacionamentos e é apaixonado por Sarah, uma garota que assim como Doug, vive em inúmeros conflitos internos e é perseguida por um namorado abusivo.

Na outra realidade, totalmente fantasiosa e bizarra, Doug tenta sobreviver em um mundo pós-apocalíptico habitado por estranhos homens-lagartos operários de uma fábrica onde mulheres põem ovos para alimentar a população.

Burns utiliza dois tipos de traço para separar as realidades de Doug, na primeira seu traço habitual e já visto em Black Hole é apresentado, já na realidade distorcida de seus sonhos, os personagens apresentam traços caricatos, assim como os da máscara que Doug utilizava quando era jovem.

Tal máscara, também exibida na capa do quadrinho, se assemelha bastante ao estilo de desenho do personagem Tintim, protagonista dos quadrinhos do escritor belga Hergé, que foram grandes influências para Charles Burns em sua infância.

A edição da Quadrinhos na Cia possui um formato grande, medindo 21cm X27 cm, em brochura com orelhas e contem 176 páginas. Recomendo bastante esta edição para os amantes de quadrinhos e principalmente, para aqueles que estão familiarizados com o estilo narrativo de Burns.


Sobre o Autor
Charles Burns
Charles Burns é um cartunista e escritor americano, nascido em 27 de setembro de 1955 na cidade de Washington. Seus primeiros trabalhos foram como ilustrador, no entanto começou a ganhar notoriedade após começar a criar histórias em quadrinhos. Sua graphic novels mais conhecida é Black Hole, com a qual Burns conseguiu ganhar os prêmios Eisner e Harvey. 

Mas e aí? Já leram Sem Volta ou algum outro quadrinho de Charles Burns? Deixem suas opiniões e dicas nos comentários e até a próxima resenha!
Continue lendo

Resenha do livro O conto da aia

Em
25 julho, 2018
Por Dora Sales
Capa do livro O conto da aia

Olá Lebres! A postagem de hoje é a resenha de um livro que estou devendo já faz muito tempo. Como podem ler no título da postagem estou falando da brilhante obra O conto da aia, de Margaret Atwood. Escrito em 1985, o livro se tornou notório de fato em 2017, graças a sua adaptação para TV na série "The Handmaid's Tale", por tratar de temas muito debatidos nos dias atuais. Vamos conferir a resenha?
Resumo da obra: Uma visão assustadora de uma sociedade radicalmente anulada por uma revolução teocrática no século XXI. Ambientada em um Estado teocrático e totalitário conhecido como Gilead, antigo Estados Unidos, o livro apresenta uma realidade onde as mulheres são vítimas preferenciais de opressão e tornando-se propriedade do governo.
Capa do livro O conto da aia

Título original: The Handmaid's Tale
Autor: Margaret Atwood
Tradução: Ana Deiró
Número de páginas: 368
Editora: Rocco
Edição: 1ª edição
Ano: 2017
Idioma: Português (Brasil)
Preço: R$ 44,50
Minha Avaliação: ★★★

Conheci esta obra, assim como a maioria, através da série The Handmaid's Tale, protagonizada pela atriz Elisabeth Moss e aproveitando que a série já concluiu sua 2ª temporada e foi renovada para a 3ª temporada, percebi que já estava mais que na hora de fazer uma resenha aqui no blog.

O livro se passa na chamada República de Gileade, país antes conhecido como Estados Unidos, após um ataque terrorista que o transformou em um governo totalitário cristão. Nós acompanhamos a história de Offred, uma aia que faz parte de um grupo de mulheres que são mantidas na sociedade para fins reprodutivos, pois muitas mulheres tornaram-se inférteis graças a poluição, porém algumas delas (as mais jovens) ainda são férteis e representam a esperança da humanidade e por essa razão devem servir as famílias mais importantes do país.

Offred relata a parte de sua vida onde serve o Comandante Fred e sua esposa, através de seus relatos nós descobrimos quais foram as mudanças ocorridas nesta sociedade e como funciona a nova separação de classe de servidão das mulheres no país, assim como descobrimos um pouco mais sobre a história de Offred antes de se tornar uma aia.

"O conto da aia" é um romance bastante reflexivo. Nos faz pensar nos problemas da sociedade em que vivemos; o quão perigoso a realidade vivida por Offred é; e nas possíveis soluções encontradas para que a nossa sociedade não viva essa realidade. Recomendo a leitura para todos, apesar dela ler um pouco chocante e angustiante, é extremamente interessante e importante, principalmente no atual momento histórico do país e do mundo.

Este foi um dos primeiros livros de ficção científica que li e nem preciso dizer o quanto gostei de conhecê-lo. A autora já se tornou a minha favorita, apesar de ter lido apenas dois livros dela, O conto da aia e Vulgo Grace. Simplesmente não tenho críticas a fazer em relação a esta obra, apenas leiam este livro e me contem as suas opiniões.

A edição da editora Rocco tem um formato pequeno, medindo 21x14 cm, em brochura com abas e contem 368 páginas. A editora já havia publicado a obra aqui no Brasil, no entanto, esta edição é o seu relançamento devido ao sucesso da série.


Sobre a Autora
Margaret Atwood
Margaret Atwood
Margaret Eleanor Atwood é uma escritora canadense que atua como romancista, poetisa, contista e ensaísta, nascida em 18 de novembro de 1939 em Ottawa. É reconhecida com inúmeros prêmios literários internacionais importantes. Recebeu a Ordem do Canadá, a mais alta distinção em seu país. Em 2001, ela foi incluída na calçada da Canada's Walk of Fame de Toronto. Muitos de seus poemas foram inspirados por contos de fadas europeus e mitologias euroasiáticas.

Mas e aí? Já leram O conto da aia ou algum outro livro de Margaret Atwood? O que acharam? Não se esqueçam de deixar suas opiniões e dicas nos comentários e até a próxima postagem!
Continue lendo

HQ O Corvo [Comparando Edições]

Em
18 julho, 2018
Por Nanda Sales
Oi Lebres! Tudo bom com vocês? Espero que sim! Há um tempo atras, mais precisamente em 20 de Novembro de 2017, eu fiz uma postagem intitulada Resenha da HQ O Corvo, onde apresento uma hq sensacional que está entre as minhas preferidas. Na época era extremamente difícil achá-la para vender, eu mesma só consegui comprar a minha edição em um arremate do Mercado Livre (foi pura sorte), mas esse ano queridinha Editora Darkside publicou esse quadrinho para que todos possam tê-lo. Eu, obviamente, comprei a edição da Darkside e não pude deixar de notar muitas diferenças entre ela e a edição mais antiga, publicada pela editora Pandora Books e é exatamente por isso que vim até aqui fazer mais um Comparando Edições, para mostrar um pouco das duas edições dessa obra. Sigam o a leitura:

O Corvo por Pandora Books e Darkside
À esquerda publicação pela editora Pandora Books. À direita publicação pela editora Darkside
Primeiramente quero apresentar algumas diferenças entre as capas das duas edições, que logo mais serão apresentadas detalhadamente. A capa da edição da Pandora Books é uma capa cartão com jacket, e destaca o personagem principal, a ilustração foi feita pelo Fabrício Novak. Já a capa da edição da Darkside é capa dura, sem ilustrações e com título em relevo. A capa da Darkside também é 1 cm mais alta e 0,5 cm mais larga que a da Pandora Books. Ambas possuem o mesmo tom de preto e vermelho nas capas.

À esquerda publicação pela editora Darkside. À direita publicação pela editora Pandora Books
Nas contra capas podemos ver mais algumas diferenças. A edição da Darkside possui uma linda ilustração do personagem principal em sua contra capa, assim como, destaques positivos referentes a obra. Já a contra capa da Pandora Books é mais simples, possui uma ilustração de lápide e o resumo da obra.

Edição da Pandora Books (2003)
Como mencionado anteriormente, a edição da Pandora Books tem uma jacket de proteção junto a capa cartão. A jacket foi ilustrada pelo Fabrício Novak e a capa oficial foi feita pelo próprio autor da obra, James O'Barr. Essa edição possui aproximadamente 238 páginas, todas numeradas. Os capítulos são destacados e aparecem no cabeçalho de todas as páginas do quadrinho, o que facilitam o leitor a se localizar ao ler a obra. A publicação da Pandora Books tem um papel simples e fosco e as ilustrações presentes nela são levemente opacas (o que pode ter sido causado pelo tempo). É uma edição bastante bem feita, mas não está 100% completa, isto se deve ao fato do autor ter sido obrigado a retirar algumas páginas para poder publicá-la, mas isso não é notado em nenhum momento pelo leitor, a história está bem organizada.
As divisões e os capítulos e subcapítulos que compõe essa edição são:
  • Lamento - Dor e Medo;
  • Inércia;
  • Fragmentos da Mente;
  • Capítulo 1 - Dor: Branco Incandescente, Fim do Amanhecer, Jogo de Sombras, Assassínio e Como um Grito Côncavo; 
  • Capítulo 2 - Medo: Almas Mortas e Submissão;
  • Capítulo 3 - Elegia Ironia e Desespero: Atmosfera e Velocidade; 
  • Capítulo 4 - Vigília Eterna: Ironia e Imolação;
  • Capítulo 5 - Exibição Atroz: Desespero e Traumatismo Craniano;
  • Capítulo 6 - Crescendo: Morte e Anjos em Chamas;
  • Capítulo 7 - Morte: Gravidade e Era do Gelo;
  • Capítulo 8 - Atrito: Olhando de Cima da Cruz e Mare de Aço na Praia de Asfalto, 
  • Passagem.
Minha Avaliação para a Edição da Pandora Books: ★★★

Edição Definitiva da Darkside (2018)
Como também já mencionado anteriormente, a edição da Darkside está no formado capa dura e conta com um leve relevo e brilho nos títulos em vermelho. Essa edição surpreendentemente não possui nenhuma marcação de páginas, o que em minha opinião é um ponto negativo, mas segundo a Amazon, a mesma possui 272 páginas (vamos confiar). Essa edição ainda conta com 30 páginas  de artes inéditas feitas pelo próprio autor da obra, James O'Barr, que são destacadas ainda mais pelo ótimo acabamento, como o papel mais grosso e fosco que a da edição anterior e os tons das ilustrações mais vivos.
As divisões e os capítulos e subcapítulos que compõe essa edição são:
  • Lamento - Dor e Medo;
  • Inércia;
  • Cabeça Detonada;
  • Livro Um - Dor: Chama Branca, Uma Nova Alvorada Se Vai, Jogo de Sombras, Matança, Os Sonhos Antiarquitetos (Subcapítulo Inédito) e Tal Como Um Grito Côncavo; 
  • Livro Dois - Medo: Almas Mortas e Submissão (Cenas Inéditas);
  • Elegia Ironia e Desespero: Atmosfera, Velocidade e Sempre a Observar; 
  • Livro Três - Ironia: Imolação e A Exposição de Atrocidades;
  • Livro Quatro - Desespero: Traumatismo Craniano (Cenas Inéditas);
  • Crescendo: Natal em Agosto (Subcapítulo Inédito), Anjo, Fogo Pleno, Festa do Martelo;
  • Livro Cinco - Morte: Gravidade, Era do Gelo, Atrito, Do Alto da Cruz (Cena Inédita), Maré de Aço na Praia de Asfalto e Faísca 
  • Pessach.
Minha Avaliação para a Edição da Darkside: ★★★

Cenas Inéditas [Edição Definitiva da Darkside]
Aqui estão algumas das cenas e subcapítulos inéditos que a Darkside publicou. Todas as imagens a seguir foram tiradas por mim e estão legendadas para que vocês saibam de que parte da obra as retirei. Vejam:
Cena do Livro Um - Dor: Tal Como Um Grito Côncavo
Cena do Livro Dois - Medo: Submissão
Cena de Crescendo - Natal em Agosto
Cena do Livro Cinco - Morte: Do Alto da Cruz
Cena do Livro Cinco - Morte: Faísca
Todas essas ilustrações foram refeitas por James O'Barr para essa edição, pois o mesmo já tinha vendido os originais, mas assim como as demais ilustrações dessa obra, as novas também foram feitas somente com nanquim e papeis diferenciados para criar os efeitos acima. Algumas das cenas adicionadas ocorreram originalmente com James O'Barr e sua namorada, são cenas íntimas, por essa razão James optou por não coloca-las na edição antiga, mas mudou de ideia e acrescentou na nova edição.

Sobre o Autor
James O'Barr
James O'Barr [Via Brasil Comic Con]
James O'Barr é um artista gráfico americano nascido em 1 de janeiro de 1960, Detroit, Michigan, EUA. O’Barr é mais conhecido como sendo o criador da série de quadrinhos O Corvo [The Crow]. O Corvo foi criado originalmente por James O’Barr após uma tragédia sofrida pelo mesmo. Em 1978, a namorada de James foi atropelada por um motorista bêbado. James perdeu o controle. Acabou se alistando no exército e foi enviado para servir na Alemanha. Foi lá que, nas horas vagas, escreveu e desenhou as primeiras quarenta páginas de O Corvo em 1981. Sua tristeza e revolta com a morte de sua namorada deram o tom violento e melancólico ao personagem Eric Draven. A primeira mini-série de O Corvo foi publicada em 1989 e Desde então, vendeu mais de 750.000 cópias em todo o mundo. [Texto Via Wikipédia].

Se gostaram dessa postagem, recomendo que vejam as postagem seguintes também:

Bom pessoal, é isso. Espero que tenham gostado da postagem. Mas, eaí, já ouviram falar de O Corvo. Já leram esse quadrinho? Já leram alguma coisa desse autor? Sim? Não? Comentem aqui em baixo!.
Continue lendo

Resenha do Livro Drácula

Em
13 julho, 2018
Por Nanda Sales
Oi Lebres! Tudo bom com vocês? Espero que sim! A postagem de hoje será sobre uma obra que já li há muito anos (li quando eu tinha 11 anos mais precisamente) e que me influenciou a gostar de ler. Essa obra é Drácula de Bram Stoker é, eu sei que você já leram o títula da postagem, mas adoro esse suspense hahahha. Drácula foi o segundo livro que li sem ser obrigada pela escola (o primeiro foi O Médico e o Monstro) e depois dele vieram vários outros. Sem mais enrolação vamos a resenha dessa clássica obra:
Resumo da Obra: O livro apresenta o diário do jovem assistente de advogado Jonathan Harker, que ao visitar o castelo do Conde Drácula, acaba preso e cercado de mistérios pavorosos. Na obra, Jonathan escreve para sua noiva sobre os acontecimentos horripilantes do castelo, mas tem sua correspondência vigiada pelo conde. Dúvidas e observações aparecem a cada dia em que o jovem passa dentro de sua prisão, como por exemplo, um castelo que não possui criados, um homem com título de conde arrumando a cama de um hospede, homem este que não possui reflexo no espero e parece que nunca dorme. Todas essas observações conduzem o jovem Jonathan Harker a buscar e descobrir os segredos de seu estranho anfitrião.
Título Original: Dracula
Autor: Bram Stoker
Tradução: Doris Goettems
Número de Páginas: 431
Editora: Landmark
Edição: Edição de luxo bilíngue
Reedição: 5ª reedição
Ano: 2014
Idioma: Português e Inglês
Preço: de 22,80 à 37,00
Minha Avaliação: 

O livro é narrado em 1ª pessoa e começa com uma pequena apresentação seguida de 27 capítulos. Essa edição da Landmark também apresenta a obra em inglês ao final do livro, sendo que a versão em inglês é dividida em 2 colunas por cada página. O mesmo mede 23,5 x 16,5 cm, possui letras médias/pequenas e páginas amareladas.

Li essa obra pela primeira vez quando tinha 11 anos em uma edição para leitores jovens. Drácula juntamente com O Médico e o Monstro me fizeram ter amor pela leitura, depois deles eu nunca mais parei de ler. Ano passado, li novamente essa obra e escutei um audiolivro, dessa vez com uma edição completa e fiquei chocada com a qualidade dessa história. O texto em formato de diário, narrado em 1ª pessoa é sem dúvida a minha forma de narrativa preferida, pois é desafiadora e empolgante. É impossível não se colocar no lugar do pobre Jonathan Harker e torcer por ele. Não é atoa que Drácula de Bram Stoker é um clássico mundial, o mesmo é excelente, muito bem escrito e sem dúvida merece estar nessa posição.

Recomendo a leitura desse livro aqueles que gostam de livros de terror/horror, suspense, clássico e em formato de diário. Recomendo também que assistam ao filme "Drácula de Bram Stoker" estrelado por Gary Oldman e Wionano Ryder e ao clássico filme mudo "Nosferatu".

Sobre o Autor
Bram Stoker [Via History Channel]
Abraham "Bram" Stoker foi um escritor, poeta e contista irlandês nascido em 08 de novembro de 1847 em Clontarf, Irlanda e falecido em 20 de abril de 1902 em Londres, Inglaterra. O escritor ficou popularmente conhecido por seu romance gótico Drácula, que mais tarde foi inspiração para diversas obras de outros artistas, incluindo peças de teatro, filmes e etc. Nenhuma obra dele teve tanto destaque quanto Drácula.

Se vocês gostam desse tipo de livro clássico, recomendo outras postagens aqui do blog. Confiram:

Bom pessoal, é isso, espero que tenham gostado. Mas eaí, já leram o livro Drácula de Bram Stoker? Têm vontade de ler? Sim? Não? Comentem aqui em baixo! Vou adorar ler as respostas de vocês.
Continue lendo

Resenha da HQ Um pequeno assassinato

Em
04 julho, 2018
Por Dora Sales

Olá Lebres! A HQ de hoje é outra história maravilhosa do meu autor favorito Alan Moore, publicada em uma edição maravilhosa elaborada pela editora Pipoca e Nanquim. Um pequeno assassinato é uma obra independente de Alan Moore em parceria com o artista argentino Oscar Zárate e que merece a sua atenção! Vamos conhecer melhor essa obra:
Resumo da obra: Timothy Hole é um publicitário bem-sucedido que acaba de aceitar o emprego de sua vida, mas tem um bloqueio criativo quando começa a se sentir perseguido por um estranho menino de cabeços negros, que cisma em aparecer nos piores momentos e parece não ser visto por mais ninguém ao redor de Timothy. Quem é esse garoto? O que ele quer? Timothy deseja encontrar essas respostas e se ver livre da sensação ruim que o acompanha. 
Capa HQ Um pequeno assassinatoRoteiro: Alan Moore 
Desenhos: Oscar Zárate
Cores: Oscar Zárate
Tradução: Marília Toledo
Letras: Arion Wu
Editores: Alexandre Callari, Daniel Lopes, Bruno Zago
Número de páginas: 116
Editora: Pipoca e Nanquim
Preço de capa: de R$ 54,90
Minha Avaliação: 

Um pequeno assassinato foi a primeira graphic novel onde Alan Moore pôde criar uma trama que não envolvesse o gênero de super-heróis, foi publicada em 1991 e se passa em 1989. Nesta obra Timothy reflete, relembra, vive e narra quatro períodos de sua vida: 1954-1964 em Londres; 1964-1979 em Sheffield; 1979-1985 em Londres e 1985-1989 em Nova York.

Ao ser ameaçado pela presença da estranha criança que o persegue, Timothy passa a questionar quem de fato ele é e como ele afeta as pessoas ao seu redor. Trata-se de uma história de cunho psicológico onde os pensamentos, memórias, lembranças e traumas na infância do personagem acaba por nos contar muito sobre ele e também sobre o menino que o persegue.
Imagem da HQ Um pequeno assassinato
Imagem extraída da HQ Um pequeno assassinato
Aqui a arte completa o roteiro de maneira surpreendente. É através dos desenhos de Zárate que nos conectamos com Timothy e sua história, assim como é através dos desenhos que reconhecemos em que momento o personagem está, seja em uma lembrança, um pensamento ou um sonho. Zárate usa lápis, aquarela e diferentes tonalidades de cores para que nós leitores possamos reconhecer cada momento.

Um pequeno assassinato é o tipo de história que deve ser lida mais de uma vez na vida, a cada releitura novas descobertas são feitas pelo leitor e novas referências e dicas dos autores são reconhecidas. Mas e o assassinato? Ele acontece? Pode se dizer que sim, mas não da forma que vocês imaginam.

A edição do Pipoca e Nanquim é novamente muito bem elaborada, trazendo uma textura diferente à capa, sendo idealizada em capa dura, em formato grande (20,5x27,5) e em papel couché fosco

Sobre o Autor
Alan Moore
Alan Moore [Via: Google]
Alan Moore é um escritor de livros e quadrinhos britânico, nascido em 18 de novembro de 1953 em Northampton, Inglaterra. É mundialmente conhecido pelas obras Watchmen, Monstro do Pântano, V de Vingança, Marvelman, Batman A piada mortal e muitas outras obras.

Sobre o Ilustrador
Imagem da HQ Um pequeno assassinato
Imagem extraída da HQ Um pequeno assassinato
Oscar Zárate é um artista e ilustrador de histórias em quadrinhos argentino nascido em 1942. Dentre as obras mais conhecidas de Zárate estão Um pequeno assassinato, Crisis, Otelo de William Shakespeare, Lenin for Beginners e Freud for Beginners.

Mas e aí? Já leram a HQ Um pequeno assassinato? Deixem suas opiniões e dicas de leitura nos comentários e até a próxima resenha!
Continue lendo

Resenha do livro Planeta dos Macacos

Em
27 junho, 2018
Por Dora Sales

Olá Lebres! O livro escolhido para ser resenhado essa semana foi o Planeta dos Macacos, do autor francês Pierre Boulle, nesta edição lindíssima da editora Aleph. O livro foi escrito originalmente em 1963 buscando fazer uma crítica social através do pensamento distópico e acabou se tornando um grande sucesso no meio nerd, gerando franquias famosas no cinema. Vamos conhecer mais essa obra?
Resumo da obra: Um grupo de cientistas decidem explorar o espaço sideral em sua espaçonave e acabam descobrindo no sistema solar um planeta bastante semelhante em oxigeno, água e solo ao planeta Terra, ao qual dão o nome de Soror. Neste planeta Ulysse Mérou e seus companheiros descobrem uma grande inversão de papeis, onde seres humanos são extremamente primitivos e o planeta é na verdade governado por símios de inteligência igual ou superior as suas.   
Capa do livro Planeta dos Macacos
Título original: La planète des singes
Autor: Pierre Boulle
Tradução: André Telles 
Número de páginas: 216
Editora: Aleph
Ano: 2015
Editores e Colaboradores: Giovana Gatti, Raphael Rodrigues
Idioma: Português (Brasil)
Preço: R$ 44,90
Minha Avaliação: 

Deste o ano passado tenho lido várias obras de ficção científica e distopias e acabei me apaixonando pelo gênero e uma das obras que estava mais ansiosa para ler era Planeta dos macacos, de Pierre Boulle. Meu primeiro contato com essa história foi, assim como muita gente, através da nova franquia de filmes, especificamente o primeiro filme: Planeta dos Macacos A origem, e achei sensacional a ideia de mostrar o símio César como sendo dotado de grande inteligência e se igualando aos seres humanos.  Após assistir toda a nova franquia de filmes, resolvi que iria assistir aos 5 filmes da franquia antiga de Planeta dos Macacos, lançados entre 1968 e 1973, no entanto, ao ler o livro percebi o quão diferente ele é em relação aos filmes lançados até agora.

No livro acompanhamos o protagonista Ulysse que acaba sendo capturado e estudado pelos símios. Tudo o que ele deseja é entender como o planeta funciona e voltar para sua terra, mas seu plano é dificultado, pois é o único ser humano com inteligência suficiente para falar e se expressar. Após analisar os símios consegue aprender sua língua e desenvolve uma amizade com a chimpanzé cientista Zira e seu noivo Cornelius, que juntos tentam descobrir uma forma de ajudá-lo.

A civilização símia apresentada por Pierre Boulle é bastante organizada e se assemelha a nossa. Zira explica que existem classes entre os símios dividida entre orangotangos, gorilas e chimpanzés, tendo cada um a sua função na sociedade. Apesar dos chimpanzés serem os cientistas, suas ideias e descobertas devem ser aprovadas pela classe dos orangotangos, logo, para ajudar Ulysse é necessário que ele aprenda a língua símia e conte sua história a todos, mas o fato de ser um ser humano dotado de inteligência e capacidade de fala trás grandes problemas para ele e seus amigos.

O que mais chama a atenção em toda essa história é a crítica social que Pierre Boulle busca fazer. Ele nos apresenta uma inversão de papeis entre o homem e o macaco, onde eles são vistos como seres "superiores" e inteligentes, enquanto o ser humano é visto como selvagem e é usado em inúmeros experimentos científicos, tais como fazemos com outros animais em nosso mundo.

Dentre as críticas feitas por Pierre podemos destacar a discussão sobre como se define o homem, o que diferencia o ser humano dos animais; será que os símios são nossos inimigos? Será que algum dia terão a mesma capacidade de raciocínio que nós temos? Devemos realizar uma mudança em relação a forma como tratamos os animais?

Apesar de ter sido escrito em 1963, o livro apresenta discussões ainda muito atuais e por essa razão recomendo muito a leitura deste livro. O livro é relativamente curto, é dividido em três partes e possui uma narrativa bastante envolvente, além de ter um final surpreendente. E se você também achou genial os filmes, com certeza irá adorar o livro.

Sobre o Autor
Pierre Boulle
Pierre Boulle [Via: Librium]
Pierre Boulle foi um escritor francês nascido em 20 de fevereiro de 1912 em Avignon, frança. Atuou como engenheiro durante a segunda guerra mundial e como agente secreto da inteligência francesa no sudeste asiático. É mundialmente conhecido por sua grande obra distópica Planeta dos Macacos, no entanto, escreveu obras como William Conrad e A ponte sobre o rio Kwai.

Mas e aí? Já leram o livro Planeta dos Macacos? E os filmes, já assistiram? Não se esqueçam de comentar suas opiniões sobre o livro e sobre a resenha nos comentários e até a próxima postagem =D
Continue lendo

© Toca da Lebre – Desenvolvido com por Iunique